Menu
Login
Codinome:

Senha:



Artigos: HOMILIA: QUE PÃO NÓS ESTAMOS REPARTINDO?  
Autor: jblibanio
Publicado em:: 2009/7/30
Leituras:
Tamanho:
Página para Impressão Indique a um Amigo
 

QUE PÃO NÓS ESTAMOS REPARTINDO? (Jo 6, 1-15)

Homilia de JB Libanio – Paróquia N. Sra. De Lourdes – Vespasiano – MG (26.07.09/17º. domingo comum)

 

Depois disso, Jesus atravessou o lago da Galiléia, que também é chamado de Tiberíades. Uma grande multidão o seguia porque eles tinham visto os milagres que Jesus tinha feito, curando os doentes. Ele subiu um monte e sentou-se ali com os seus discípulos. A Páscoa, a festa principal dos judeus, estava perto. Jesus olhou em volta de si e viu que uma grande multidão estava chegando perto dele. Então disse a Filipe:
- Onde vamos comprar comida para toda esta gente?
Ele sabia muito bem o que ia fazer, mas disse isso para ver qual seria a resposta de Filipe.
Filipe respondeu assim:
- Para cada pessoa poder receber um pouco de pão, nós precisaríamos gastar mais de duzentas moedas de prata.
Então um dos discípulos, André, irmão de Simão Pedro, disse:
- Está aqui um menino que tem cinco pães de cevada e dois peixinhos. Mas o que é isso para tanta gente?
Jesus disse:
- Digam a todos que se sentem no chão.
Então todos se sentaram. (Havia muita grama naquele lugar.) Estavam ali quase cinco mil homens. Em seguida Jesus pegou os pães, deu graças a Deus e os repartiu com todos; e fez o mesmo com os peixes. E todos comeram à vontade. Quando já estavam satisfeitos, ele disse aos discípulos:
- Recolham os pedaços que sobraram a fim de que não se perca nada. Eles ajuntaram os pedaços e encheram doze cestos com o que sobrou dos cinco pães. Os que viram esse milagre de Jesus disseram:
- De fato, este é o Profeta que devia vir ao mundo!
Jesus ficou sabendo que queriam levá-lo à força para o fazerem rei; então voltou sozinho para o monte.

 

         São João brinca com os símbolos. Nesse texto, tão bonito, cada pormenorzinho é uma alusão para quem sabe ler o que realmente ele quer dizer. Hoje eu gostaria de fazer uma inversão. Começo por imaginar que cada um de nós é Jesus e que neste momento recebemos dele o poder de multiplicar os pães e com eles saciar as pessoas. Para vocês, as minhas perguntas: a quem daremos os pães? Que pães daremos? Como daremos esses pães? É bom que fiquemos com essas três perguntas na cabeça.

         Será que distribuiríamos o pão material? Certamente, esse pão material acabaria logo, mas o que realmente nós temos para oferecer às pessoas? O que poderíamos dar como pão? O que adquirimos ao longo da vida em cultura, em experiência, que poderá servir para quem está ao nosso lado? Que pão uma mãe poderia distribuir aos seus filhos? Poderíamos dar exemplo, ensinamento, silêncios, palavras? Talvez muitos de nós não tenhamos nenhum pão para dar. Esta é a grande tristeza: ter os nossos cestos vazios, depois de trinta, cinqüenta anos de vida, olhar para o nosso cesto e perceber que ele está vazio, que nada temos para distribuir, para partilhar com quem está ao nosso lado. É terrível perceber que uma vida inteira se passou na mais completa vacuidade. Trágica verdade quando percebemos o silêncio da inutilidade, de quem não viveu, de quem nada experimentou. Só podemos comunicar aquilo que vivenciamos em profundidade, aquilo que nos tirou de dentro de nós numa revolução profunda, levando-nos a trabalhar, modificar a realidade e só assim, sermos capazes de transmitir. Como dizia o grande pedagogo Paulo Freire, precisamos tomar consciência da nossa dignidade, do nosso ser, da nossa existência, pois só a partir daí poderemos comunicar alguma coisa para as pessoas. Ao término desta celebração, caminhemos para as nossas casas nos perguntando sobre qual o pão que temos para saciar quem caminha conosco.

         A quem daremos o nosso pão? Pensando em pão material, só poderíamos dá-lo a quem estivesse com fome, assim como Jesus deu àquelas pessoas que o seguiam. Mas hoje, com tantos programas sociais, preocupando-se em alimentar o povo, não é desse pão que as pessoas estão necessitando. Será que já paramos para pensar que espécie de ajuda as pessoas estão buscando em nós? Quantas pessoas ao nosso lado estão precisando de um abraço, de um olhar de atenção, tanta coisa que podemos distribuir nos enriquecendo muito mais?

         E como podemos distribuir esse pão? Será que sabemos nos colocar em disponibilidade para as pessoas, abrindo-lhes o coração, voltando-lhes o nosso olhar, acolhendo-as em nossas casas? Hoje, a psicologia, a pedagogia e também a ética trabalham muito o cuidado, a delicadeza no trato com as pessoas, fazendo com que elas não se sintam dominadas, humilhadas. Deixemos de lado a arrogância, a prepotência, e só assim faremos grandes milagres na multiplicação dos pães. Foi Jesus quem disse que nós faríamos milagres maiores do que Ele fez. Amém. (26.07.09/17º. domingo comum)

 

 



O grupo de amigos e admiradores de Pe. J.B. Libanio é um projeto sem fins lucrativos comprometido com a Evangelização para mais servir e amar.
Desenvolvido por ABNEXO