Menu
Login
Codinome:

Senha:




Artigos: Ética na política e ética da política  
Autor: jblibanio
Publicado em:: 2013/2/1
Leituras:
Tamanho:
Página para Impressão Indique a um Amigo
 

Ética na política e ética da política

O Tempo – 13 de janeiro de 2008

J. B. Libanio

                   A ética na política na pena ou voz do que acusa tornou-se lugar comum. Nada de novo. Cada dia se lêem notícias nos jornais de denúncias sobre corrupção, compra de votos, desvio de verbas, suborno, uso de informações privilegiadas, contratos suspeitos, nepotismo escandoloso, etc. A consciência nacional rejeita a falta de ética na política.

                   Paira, porém, suspeita do interesse de certos políticos pela ética. Pois na oposição atacam aquelas ações antiéticas que, uma vez no poder, cometem. Antes aproveitam da ética como arma política do que a assumem.

                   Certas ações cometidas por políticos contrariam a ética. Sem dúvida, existe ética pessoal na política. Como os políticos agem sob os holofotes de opositores, estes recorrem à ética para as críticas. Com isso, o  tema da ética vem a público. Algo positivo. O silêncio revelaria situação deplorável.

                   Triste silêncio, porém, pesa sobre a ética da política. Questão grave e difícil de ser trabalhada com lucidez. O último sujeito e responsável da ação ética é a liberdade e a consciência humana. Certamente. Nem o animal, nem a frieza da máquina, nem a bomba na sua quimicidade, nem a instituição enquanto regras funcionais caem sob o veredicto ético. Mas os sujeitos que criam animais, que fabricam a máquina e a bomba, que constroem e dirigem as instituições. No entanto, a teologia da libertação elaborou com certo rigor a categoria de pecado estrutural ou social que, em termos de ética, significaria violação estrutural da ética.

                   A ética na política tem relevância, mas revela-se incompleta e nãoconta dos problemas sociais e estruturais. Com facilidade usamos expressões como estruturas injustas, políticas injustas. Expressões que o magistério da Igreja e a teologia usam. Os bispos em Medellín afirmam que a falta de solidariedade leva “no plano individual e social a cometer verdadeiros pecados cuja cristalização se evidencia nas injustas estruturas que caracterizam a situação da América Latina”.

                   Ações contra a ética de pessoas concretas ao longo da história se estruturaram em leis, regras, relações estáveis injustas. Ética da política nos leva a analisarmos as estruturas políticas atuais e a perguntarmos se elas encarnam ou não valores éticos. À medida que se descobrem estruturas cristalizadoras de injustiças, a ética da política se empenha em transformá-las.

                   Estruturas políticas injustiças envenenam eticamente as pessoas com sua maldade. Vão além de cristalizações. Tornam-se fautoras de injustiças. Geradas pela injustiça, geram injustiça. O próprio político honesto, ao cercar-se de ambiente ressudando injustiça de leis e prescrições, acaba contaminado. A ética da política atende a essa dialética.

                   Na atual democracia com tantas estruturas injustas, não basta o proceder individual ético deste ou daquele político. Exige-se dos políticos luta contra tais estruturas. Assim como elas se construíram por meio de leis, normas, relações estáveis, a sua mudança exigirá os mesmos trâmites. Em seu lugar, cabe criar outras que encarnem os valores desejados e fomentem a sua vivência.

                   A dependência da ética na política da ética da política resulta muito maior do que se pensa. Porque não se trabalha seriamente na ética da política, os políticos escorregam e se afundam em práticas injustas, albergados por leis e privilégios.

                   A lucidez consiste em perceber a distinção e a relação entre essas duas dimensão da ética. A sociedade burguesa individualista privilegia a ética na política e silencia a ética da política. Uma leitura de cunho estrutural e de corte social prefere atentar para a ética da política e desconfia do estardalhaço burguês no referente às violações da ética na política.         

 

 

 



O grupo de amigos e admiradores de Pe. J.B. Libanio é um projeto sem fins lucrativos comprometido com a Evangelização para mais servir e amar.
Desenvolvido por ABNEXO