Menu
Login
Codinome:

Senha:




Artigos: Grandes matrizes da ética  
Autor: jblibanio
Publicado em:: 2013/2/1
Leituras:
Tamanho:
Página para Impressão Indique a um Amigo
 

GRANDES MATRIZES DA ÉTICA

J. B. Libanio

O Tempo – 20 de janeiro de 2008

                   No princípio, está o bem. A partir dele, pensa-se a ética. Mas de que bem se trata? No cotidiano usamos tantas vezes a palavra bem. Até chamamos de “meu bem” as pessoas que amamos, mesmo que elas, em momentos, se mostrem até mesmo más. Bem serve de substantivo e de advérbio. E quando vai para o plural, materializa-se.

                   O bem advérbio traduz a qualidade de harmonia desde o corpo até o espírito. nos sentimos bem, quando a parte corporal funciona segundo a normalidade orgânica. Bem nos acena para uma natureza ordenada que segue as próprias regras. Estabelecemos objetivos e na sua obtenção adverbiamos de bem quando o alcançamos segundo o projeto estabelecido. Saiu-se bem no exame, passou bem no teste, foi bem sucedido nos empreendimentos. E tantas outras expressões que nos povoam a linguagem diária.

                   Se saímos do advérbio e caminhamos para o substantivo, procuramos sujeitos ou objetos que manifestem dentro de si e irradiem para fora traços de integridade, de beleza, de completude, de bondade, de verdade, de tantas outras qualidades. O bem encarna a suma de todos os valores que enriquecem as pessoas e as coisas. A ética, sob a luz do bem, aponta o caminho para a realização desse universo ideal. E sanciona as ações que o contrariam. Ela tem uma dimensão de meta, de aspiração, de perfeição que atua como acicate para nosso caminhar. Sem ela, arrepiamos caminho.

                   No princípio está a sabedoria. Não se opõe ao bem, mas indica a maneira como o conhecemos e o estabelecemos. Não partimos de reflexões especulativas, filosóficas sobre o bem como atributo transcendental constitutivo dos seres ou qualidades que adverbiam as ações humanas. Apelamos para a experiência dos maiores. Viveram antes de nós. Conheceram por experiência própria e alheia aquelas realidades que plenificam ou que degradam os humanos. Selecionam-nas, codificam-nas e transmitam-nas às gerações jovens. É o ancião que diz para o jovem: “Mais vale escutar a repreensão de um sábio que escutar elogios dos néscios” (Ecl. 7, 5).

                   No princípio está Deus. Criou-nos e falou-nos. No que criou, deixou profundas marcas de si em cada um de nós para que, ao descobri-las, vivamos segundo o projeto que ele pensou para nós. A ética é conhecê-las e praticá-las. Veio-nos ainda em auxílio, ao revelar-nos quem somos, onde vivemos e para onde caminhamos. Outra fonte maravilhosa de conduta para o ser humano. Por ser infinito, garante-nos a firmeza, a verdade, a bondade do plano salvífico para a humanidade, incrustado no coração de cada ser humano e realizado histórica e modelarmente pelo povo de Israel. Na sua história e escritos sagrados encontramos ensinamentos para a ética de toda humanidade.

                   No princípio está o Verbo Encarnado. Ele se chama Jesus. Viveu entre nós como Deus em humanidade. No próprio existir de sua pessoa, no comportamento e nas atitudes de sua vida, nos ensinamentos deixou-nos traços para o caminho do bem e da felicidade. Fonte única e maravilhosa para a ética. Contribuição imprescindível para o conhecimento do próprio ser humano, seus direitos e deveres.

                   No princípio está a razão. Fanal que todos temos pelo fato de sermos humanos. Ilumina-nos os passos da existência. Não nos foi dada como dom individual a ser cultivado na solidão do próprio cubículo. É comunicativa. E no diálogo com os outros humanos vai descobrindo as trilhas do bem e da verdade que nos levam à felicidade.

                   Que humanidade ética construiríamos, se bebêssemos em todas essas fontes, contribuindo cada uma com as suas águas puras para saciar a sede humana de felicidade e de bem! E como nos desgastamos e perdemos o senso ético no combate às originalidades de cada origem, em vez de somarmos as riquezas em vista de uma ética global!

 



O grupo de amigos e admiradores de Pe. J.B. Libanio é um projeto sem fins lucrativos comprometido com a Evangelização para mais servir e amar.
Desenvolvido por ABNEXO