Menu
Login
Codinome:

Senha:




Artigos: Os Exercícios Espirituais de Santo Inácio  
Autor: jblibanio
Publicado em:: 2011/10/10
Leituras:
Tamanho:
Página para Impressão Indique a um Amigo
 

O olhar do teólogo

Os Exercícios Espirituais de Santo Inácio

J. B. Libanio

Jornal de Opinião – junho de 2001

 

                    A seca espiritual de uma sociedade materialista provoca crescente sede de experiências religiosas. As pessoas peregrinam pelo circuito das águas de religiões buscando alguma fonte para desalterar-lhe a sede. As ofertas são múltiplas desde aquelas vindas do longínquo Oriente até as brotadas em nosso solo. Pertence a esse momento de pós-modernidade o desejo das experiências. Saboreiam-se os produtos e selecionam-se aqueles de gosto agradável.

                   As experiências espirituais entram nessa farândola de propostas com objetivos diversos. Umas revelam-se ricas nas proteínas da emoção de rápida digestão. Ao saciar, provocam mais sede. O momento seguinte precisa ser mais intenso de preferência no meio a grupos e multidões. Enchem-se estádios. Vibra-se até a exaustão física e emocional. Volta-se para casa aliviado por pouco tempo até que nova onda de desejos aflore. Entra-se na roda inexorável do desejo-satisfação-desejo. O ser humano é absolutamente insaciável em suas buscas de símbolo, de gozo, de prazer, de satisfação. Vê aí sua felicidade.

                   Há as experiências do silêncio e contemplação. Outro departamento. Buscam-se lugares retirados, bonitos, em que a alma descansa na tranqüilidade serena de uma natureza pacífica. Os orientais são mestres. A meditação não se encarreira para nenhum objeto e muito menos para objetivos prático-existenciais. Vale por ela mesma. Repousa sobre si. Apóia-se na sua gratuidade sem necessariamente referir-se a um Mistério pessoal, em diálogo.

                   Os Exercícios Espirituais de Santo Inácio transitam por outro caminho. Distancia-se da via das emoções de massa. É pessoal. Pede retiro e solidão. Participa do desejo do silêncio. Escolhe também com freqüência lugares calmos em que a natureza facilita a elevação da mente. Difere, porém, do puro repouso espiritual. A expressão “Exercícios” denota já outra disposição interior. Vai-se para uma academia espiritual a fim de dispor o espírito para ação de Deus. É um jogo de difícil equilíbrio entre um esforço humano exaustivo e uma acolhida serena das moções gratuitas de Deus.

                   Na origem está a experiência de conversão de Santo Inácio que com extrema lucidez tematizou o processo de seu caminho de uma vida mundana até a entrega radical a Deus. E organizou pedagogicamente tal itinerário de maneira a iluminar outros que o perfazem.

                   Inicia-se com a reflexão. Mais intelectual. Giram-se dias em torno de verdades fundamentais da nossa existência. De onde viemos, onde estamos, para onde vamos. Viemos do gesto criador. Estamos num mundo criado para que possamos encontrar e viver de Deus. Esta é a ordem. A desordem da nossa vida choca-se com esse projeto de Deus. Entra-se no universo das meditações. Exercícios que tem suas regras e disciplina. Caminha-se lentamente depois pela via da contemplação dos mistérios da vida de Jesus até chegar aos píncaros de uma experiência mística de comunhão de unidade com a Trindade. Nesse itinerário, a nossa vida concreta é confrontada à busca de novos rumos, orientada por uma decisão fundamental pedida e desejada. Obra da graça. Os Exercícios dispõem a pessoa. Realizam o que Santo Tomás de maneira sucinta ensinou: a graça supõe e aperfeiçoa a natureza. Inácio pensa assim. Trabalha a natureza com seu método para que a graça aí possa expandir-se. O nosso trabalho interior é sempre acompanhado com insistente pedido da graça na qual se deposita toda confiança.        

                  

 



O grupo de amigos e admiradores de Pe. J.B. Libanio é um projeto sem fins lucrativos comprometido com a Evangelização para mais servir e amar.
Desenvolvido por ABNEXO