Menu
Login
Codinome:

Senha:




Artigos: Mídia e globalização  
Autor: jblibanio
Publicado em:: 2011/10/10
Leituras:
Tamanho:
Página para Impressão Indique a um Amigo
 

O olhar do teólogo

Mídia e globalização

J. B. Libanio

Jornal de Opinião – setembro de 2001

 

                   A seta do desenvolvimento aponta para a tecnologia da informação e as biociências. A mídia tende a tornar-se cada vez mais poderosa e sofisticada. Nem a fantasia de Júlio Verne não daria conta de imaginar o que nos espera no mundo das ciências da informação.

                   Os humanos irriquietos nomadizaram-se não simplesmente em busca de alimento, mas muito mais por uma sede globalizante própria de seu espírito. O animal restringe-se a seu hábitat natural. Os seres humanos ultrapassam os limites da natureza, criando suas cidades, suas civilizações com pretensões de extensão.

                   Até recentemente a globalização se dava por sucessão de lugares. O mundo econômico estimulou-a ao máximo. As transnacionais chegavam a todos os países em busca de mercado para maximizar seus lucros. Riscava-se o mapa mundi com os traços do comércio.

                   As últimas décadas assistiram a fenômeno novo. A globalização simultânea e instantânea. Não se necessita sair de um lugar para estar em outro. Aquilo que a metafísica proibia absolutamente no mundo físico, o desenvolvimento tecnológico da informática possibilita-o de maneira virtual. É-nos dado estar simultaneamente em vários lugar. É a globalização das emissões televisivas, da internet.

                   Fenômeno extremamente ambíguo. Ao mesmo tempo, os fiéis do mundo inteiro acompanham a missa de Natal no Vaticano numa globalização da fé e, ao mesmo tempo, presenciamos ao vivo a terrível cena do segundo avião terrorista chocar-se em violenta bola de fogo contra a Torre do World Trade Center de Nova York e o ruir fragoroso daquela montanha de ferro e concreto. Cenas de paz e de guerra, cenas de fé e de perversidade, cenas de grandiosidade espiritual e de mesquinhez humana. Tudo é oferecido a todos. Não há limite de objeto nem de sujeito. É a globalização sem mais.

                   Nasce assim outra cultura. Ainda é muito cedo para dar-nos conta de suas implicações. Sabemos que ela transforma o hábito de todos. O espetáculo faz parte essencial dessa cultura mediática globalizada. Ele dicotomiza a sociedade em duas partes bem distintas. Os atores - trágicos ou comediantes - com os seus figurantes e o espectador passivo. Cada vez menos atores e mais espectadores.

                   Ainda por muito tempo estaremos sob o impacto do ataque terrorista aos EE. UU.  Aí apareceu de maneira exemplar a natureza da sociedade mediaticamente globalizada. O fato de o segundo avião ter sido anunciado tragicamente pelo primeiro possibilitou que as câmeras já estivessem a posto e filmassem o segundo atentado. Assim todo o mundo pôde assistir a tal espectáculo trágico.

                   Isto faz parte da encenação bélica. Os americanos já tinham feito o mesmo na Guerra do Golfo. Lá foram os atores. Aqui  os espectadores-vítimas inermes. Lá orquestraram o show. Aqui sofreram a humilhação diante de todo o mundo de verem seus ícones sagrados - Pentágono e as Torres gêmeas - serem profanados por pequeno grupo de camicases.

                   Toca a nós seres humanos dar conteúdo à globalização mediática. Ela está ai para tudo e para todos. Só nosso bom senso, nossa ética impõem o único limite possível. Do lado da tecnologia, tudo circula. Do lado da ética, deveria transmitir-se somente o que nos humaniza. É hora de construir uma ética humanizadora da mídia.

                  

 



O grupo de amigos e admiradores de Pe. J.B. Libanio é um projeto sem fins lucrativos comprometido com a Evangelização para mais servir e amar.
Desenvolvido por ABNEXO