Menu
Login
Codinome:

Senha:



Home / Homilias / Terceiro volume

Terceiro volume

Introdução ao 3º. Volume da Coletânea de Homilias de J.B.Libanio

 

"As palavras de Pe. Libanio, aqui editadas, resgatam o simples, abusam de imagens e elementos da natureza, articulando cultura e sensibilidade para nossa melhor compreensão. Seu estilo metafórico, sua forma didática, bem humorada e com uma estrutura coerente promovem uma reflexão intensa, não apenas através do intelecto, mas principalmente do inevitável movimento de nossas emoções. Quem tem o prazer de ouvir suas homilias sabe que é quase impossível não se deixar tocar pelo seu jeito de anunciar o Evangelho.

É interessante notar como Pe. Libanio faz o apelo de que tenhamos uma relação madura com Deus. Não o Deus de nossas projeções infantis, aquele que iria obturar nossas faltas, negar nossa condição humana ou ainda castigar se não nos submetermos a Ele. Mas o Deus Mistério que, respeitando nossa vulnerabilidade, convida-nos a abrir nossa existência ao seu amor. As palavras desse brilhante teólogo despertam em nós sentimentos e possibilidades adormecidas por esse insano cotidiano. Nesse livro, a título de açular o desejo, vocês irão experimentar que a verdade é a Lei que Jesus sempre pregou, que somente podemos sentir Deus através da relação com o outro, em sua inexorável diferença, e que amar não é simplesmente querer bem ou proteger, mas é algo que exige a consciência e a liberdade. Mas tudo isso baseado na importância de ter em memória que Deus sustenta nossa existência e que seu único adversário é quem se julga completo..."

Patrícia Ferreira Del-Fraro

 

 

 

 

O MISTÉRIO SE ENCONTRA NO SILÊNCIO

(Mt 6, 1-6. 16-18)

Este é o tempo bonito da quaresma. Bonito pela beleza interior, pelos toques do Senhor, pela presença maravilhosa de Deus, que não se cansa de imergir-se no mais profundo da nossa história. A Igreja é uma grande pedagoga. Ela sabe que nós, seres humanos, precisamos usar os nossos sentidos. Somos muito sensíveis, somos seres ligados a essas cinco janelas que Deus nos deu: olhos, olfato, ouvido, tato, paladar. Cinco janelas belíssimas, e das quais a Igreja quer nos falar. Ela pensa em como acordar essas pessoas que andam sonolentas pela história, que nunca se despertam para valores maiores. Divide o ano, para que não pensemos que todos os dias são iguais, anódinos, descoloridos, sem sons, sem graça, insossos, aborrecidos, tediosos. Quer que as pessoas percebam que os dias são diferentes. Muda as cores, porque nosso olhar é feito para captá-las. Se não somos daltônicos nem acrômicos, conseguiremos perceber e distinguir as cores.

E a Igreja diz: verde - a esperança, por mais tempo, quase todo o ano. Sempre verde, para que as pessoas não desanimem, não se aborreçam. Que entrem na igreja e saiam verdejantes de esperança. Mas também há de se perceber que a vida é séria. Escolhe a cor roxa, para que, olhando para o roxo, todos se perguntem: o que aconteceu? Por que o roxo? Porque é uma cor assim mais sombria, mais escura, mais meditativa, mais silenciosa. Parece que o roxo não grita. O branco grita. Preto chama a atenção. O azul pacifica. O roxo serve para a tranqüilidade. A Igreja quer que nós, durante quarenta dias, fechemos um pouquinho as janelas dos sentidos, corramos um pouquinho as cortinas de nossa sensibilidade para nos voltarmos para dentro. Não para pensarmos em nós mesmos, não para nos fecharmos no individualismo, saturados e aborrecidos, enojados e entediados. Não! Que fechemos as janelas para encontrarmos o mistério que habita o mais profundo do nosso coração.

Deus é tão lindo, tão maravilhoso que não quis ficar trancado na Trindade Santíssima e Eterna, longe de nós. Quis entrar, viver, acompanhar nosso cotidiano. Deus quis sofrer os nossos dilemas, sorrir os nossos sorrisos, molhar-se com as nossas lágrimas, ouvir os nossos sussurros. Ele entrou dentro de cada um e está aí, no mais fundo de nós. Quando vocês mergulharem bem fundo, mas muito mais fundo do que as minas de Morro Velho (*), aí sim, encontrarão esse mistério radical.

Quaresma é um pouco para isso. Para que aumentemos esse tempo tão bonito. Os contemplativos rezarão muito mais. As Clarissas (**) passarão a noite inteira rezando. Não há um instante sequer num mosteiro em que não haja alguém rezando. Onde quer que estejamos, metidos lá no fundo dos nossos sonos, saibamos que há uma vela sempre em oração em todos os conventos de Carmelitas, de Clarissas do mundo inteiro. Atravessarão as vinte e quatro horas para que, em nenhum instante sequer, a humanidade deixe de ser sustentada por suas orações. Que mulheres maravilhosas! Se não fossem elas não estaríamos aqui, não teríamos força, não teríamos coragem, não teríamos energia, não teríamos nem vindo aqui nesta igreja. Vocês pensam que vieram por qualquer coisa? Vieram porque habita o coração de vocês a força trinitária de Deus. E habita mais feliz ainda, porque Ele sabe que há velas luminosas nesse universo que estão lhe dizendo: "Deus eterno, nós, criaturas, também vos amamos. Não sois vós, somente, o apaixonado por nós. Também somos apaixonados por vós, ó Deus!" É uma troca de paixões. Amor só existe onde há troca e mistura, onde há idas e voltas. O nosso amor volta-se para Deus, porque o amor de Deus voltou-se para nós.

Quaresma é essa mistura de amores. Nós devíamos sair mais puros, mais transparentes, mais bonitos, mais repousados, mais silenciosos, mais meditativos, mais santos - desculpem a gíria: mais sarados. Não pelas academias, das malhações, mas sarados interiormente das nossas doenças, das nossas feridas, das nossas mágoas, das nossas tristezas, das nossas dores.

Na soma de tudo isso,  pensem que não há uma dor sequer que vocês sofreram que Deus não tenha sofrido também. Não há um pecado sequer que tenhamos cometido, que Deus não tenha assumido na sua dor. Não porque o ofendemos, mas porque nós nos ofendemos e Ele sente e sofre com isso. Se descobrirmos um pouquinho mais de Deus, se criarmos uma outra compreensão dele, valerá a pena vivermos a quaresma. Que tenhamos mais tempo de silêncio, de recolhimento em nossos quartos ou em algum lugar qualquer, onde sintamos e ouçamos o silêncio. Para que tenhamos coragem de nos encontrar com o mistério que habita o nosso coração. No ruído e no barulho dos rádios e das televisões, vinte e quatro horas gritando e chiando por aí afora, é difícil, quase impossível, esbarrar com o mistério que vem de Deus. Amém. (13.02.02)

 

(*) referência à Mina de Morro Velho, no município de Nova Lima - MG

(**) da ordem religiosa fundada por Santa Clara

 

 

ATENÇÃO: Caso você queira comprar este  volume de  homilias de Pe. João Batista Libanio, você poderá fazer o pedido enviando uma mensagem de email para o endereço martatins@yahoo.com.br, aos cuidados de Marta Martins. Para cada livro, cobramos o valor simbólico de R$ 18,00 por unidade. Neste valor já está incluso o custo do frete para qualquer lugar do Brasil. Caso tenha alguma dúvida, fique a vontade para entrar em contato conosco.    

(Todo valor recolhido dos livros vendidos é revertido para atividades sociais e manutenção do site jblibanio.com.br. O grupo de amigos e admiradores de Pe. J.B. Libanio é uma organização sem fins lucrativos e comprometida com a Evangelização para mais servir e amar.)   


Veja Também
Indique esta página a um amigo! Preparar para Impressão



O grupo de amigos e admiradores de Pe. J.B. Libanio é um projeto sem fins lucrativos comprometido com a Evangelização para mais servir e amar.
Desenvolvido por ABNEXO